Mon. Jun 17th, 2024

A missão OSIRIS-Rex da NASA, que retornou recentemente à Terra, revelou amostras do asteroide Bennu, mostrando ingredientes cruciais acreditados serem os blocos construtores da vida. Essas amostras do corpo celeste de 4,5 bilhões de anos são ricas em carbono e água.

Dante Lauretta, o principal investigador da missão OSIRIS-Rex da NASA da Universidade do Arizona, declarou: “Ao espiar os segredos antigos preservados na poeira e nas pequenas rochas do asteroide Bennu, estamos destrancando uma cápsula do tempo que nos oferece insights profundos sobre as origens do nosso sistema solar.” Ele ainda expressou seu assombro diante da “abundância de material rico em carbono e da presença abundante de minerais argilosos portadores de água”. Lauretta descreveu essas descobertas como “apenas a ponta do iceberg cósmico”.

A nave espacial OSIRIS-REx embarcou em uma jornada monumental em 2020, viajando milhões de quilômetros para extrair amostras de Bennu. Após sua longa viagem, a cápsula repleta de amostras fez sua descida, pousando no deserto de Utah em 24 de setembro. Em seguida, a cápsula foi transportada com segurança para o Centro Espacial Johnson da NASA em Houston. Lá, em salas limpas especialmente construídas para a missão, os cientistas começaram o processo intricado de analisar as amostras.

Originalmente, o objetivo da OSIRIS-REx era coletar aproximadamente 60 gramas de material de Bennu. Isso proporcionaria aos pesquisadores a oportunidade de se aprofundar nas rochas espaciais que se formaram bilhões de anos atrás, rochas que permaneceram intocadas por calor ou água – ao contrário dos meteoritos que caem na Terra. Para surpresa da equipe, a cápsula retornou com uma quantidade que superou suas expectativas. A análise até agora focou na poeira cor de carvão e nos pequenos seixos de Bennu que se depositaram na tampa e na base do recipiente de amostra. Testes preliminares neste material identificaram a presença de água, carbono e várias moléculas orgânicas.

Timothy Glotch da Universidade Stony Brook em Nova York destacou a importância dessas descobertas. “Carbono e água não são vida, mas são os blocos construtores de que a vida precisa”, disse ele. A presença desses elementos e minerais pode lançar luz sobre a transformação do asteroide rochoso ao longo do tempo, possivelmente remontando ao início do desenvolvimento do sistema solar. Paul Byrne da Universidade de Washington em St. Louis enfatizou as implicações mais amplas dessas descobertas, sugerindo que elas podem reformular nossa compreensão de como a água chegou à Terra e a cronologia de sua presença em outros corpos celestes. Ele fez a pergunta: “A Terra nasceu úmida ou nasceu seca e depois a água foi trazida para ela?”. As descobertas de Bennu também podem se estender a planetas como Vênus, que, embora atualmente secos, podem ter sido ricos em água no passado.

A dedicada equipe de pesquisadores da NASA está pronta para continuar sua análise e caracterização das amostras nos próximos anos. Importante, eles se comprometeram a preservar pelo menos 70% do material, garantindo que futuras gerações de cientistas de todo o mundo tenham a oportunidade de investigar ainda mais essas amostras inestimáveis.

Dante S. Lauretta é professor de ciências planetárias e cosmoquímica no Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona. Ele é o investigador principal da missão OSIRIS-REx da NASA.

#Tecnologia #Espacial #Ciencia #NASA #Pesquisa #AAVFX #AstroAnimatorVFX

Não deixem de se inscreverem no Canal do YouTube pois é muito importante para o crescimento do projeto. Meu muito obrigado! https://www.youtube.com/c/AstroAnimatorVFX/ “

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *