Mon. Jun 17th, 2024
Astronomers using the NSF’s NOIRLab’s SOAR telescope in Chile captured the vast plume of dust and debris blasted from the surface of the asteroid Dimorphos by NASA’s DART spacecraft when it impacted on 26 September 2022. In this image, the more than 10,000 kilometer long dust trail — the ejecta that has been pushed away by the Sun’s radiation pressure, not unlike the tail of a comet — can be seen stretching from the center to the right-hand edge of the field of view.

Após a espaçonave da NASA, DART, colidir com o asteroide Dimorphos, os detritos do asteroide causaram uma enorme cauda que se estendeu atrás do asteroide.

A nave Double Asteroid Redirect Test (DART) da NASA colidiu com o pequeno asteroide em 26 de setembro, e uma imagem de dois dias após o impacto mostra os detritos resultantes.

Dimorphos tem apenas 170 metros de diâmetro, e sua nova nuvem de poeira e rochas mede cerca de 10 mil quilômetros de comprimento. Foi fotografado por astrônomos usando o Southern Astrophysical Research Telescope no Chile.

O objetivo da DART ao colidir com o Dimorphos era mudar a órbita do asteroide em torno do asteroide Didymos, um pouco maior. Observar as consequências da colisão, particularmente o quanto a órbita foi deslocada, ajudará os pesquisadores a descobrir a melhor forma de proteger a Terra de quaisquer asteroides potencialmente perigosos que possamos encontrar no futuro, embora Dimorphos e Didymos sejam completamente inofensivos.

Imagens tiradas imediatamente após a colisão mostraram uma enorme nuvem de poeira ao redor de Dimorphos e, nos dias seguintes, grande parte da nuvem se esticou em uma cauda atrás do asteroide. Isso aconteceu através do mesmo processo que dá aos cometas suas caudas, onde a radiação do sol empurra o material para um fluxo atrás do corpo principal do objeto.

Observar os detritos deixados para trás pelo impacto dirá aos astrônomos sobre a estrutura interna do Dimorphos, que será fundamental para projetar quaisquer futuras missões para desviar asteroides, porque é um dos principais fatores que ditam como um impacto muda a trajetória da rocha. Uma rocha com um interior forte tem maior probabilidade de ser desviada no impacto, em vez de apenas desmoronar.

Assim que a nuvem se dissipar, os pesquisadores também poderão examinar a superfície fresca deixada para trás após o impacto. A Agência Espacial Europeia planeja lançar uma espaçonave chamada Hera em 2024 para examinar as consequências do impacto de perto, e outras observações serão feitas usando telescópios no solo ou em órbita .

Fonte: Leah Crane

Não deixem de se inscreverem no Canal do YouTube pois é muito importante para o crescimento do projeto. Meu muito obrigado! https://www.youtube.com/c/AstroAnimatorVFX/ “

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *