Mon. Jun 17th, 2024

Observações de cometas orbitando a estrela Beta Pictoris revelaram sua variedade de tamanhos, o que sugere que eles provavelmente se formam através de uma série de colisões, assim como os cometas que orbitam o sol.

Cometas em todo o universo podem ser notavelmente semelhantes aos do nosso próprio sistema solar. A primeira medição dos tamanhos dos núcleos dos exocometas – as massas geladas de rocha que compõem o corpo principal dos cometas – mostra que aqueles que orbitam estrelas distantes provavelmente se formaram da mesma forma que aqueles que orbitam o Sol.

Os primeiros exocometas detectados, encontrados em 1987, orbitam uma estrela a cerca de 63 anos-luz de distância chamada Beta Pictoris. Alain Lecavelier des Etangs, da Universidade Sorbonne, na França, e seus colegas examinaram novas observações de Beta Pictoris feitas pelo Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) para determinar os tamanhos de seus núcleos.

Eles descobriram que eles variam de 3 a 14 quilômetros de diâmetro. Esta é a primeira vez que medimos os tamanhos dos cometas além do sistema solar, e a proporção de cometas em cada tamanho corresponde à distribuição que observamos no sistema solar.

“Há muito, muito mais objetos pequenos em comparação com objetos grandes [em torno de Beta Pictoris], e isso é exatamente o que observamos no sistema solar, e é o que esperamos para corpos produzidos por fragmentação”, diz Lecavelier des Etangs. Isso significa que esses cometas provavelmente foram formados quando objetos maiores colidiram uns com os outros e se partiram em muitos pedacinhos. “Suspeitamos que estes são processos muito comuns, e os cometas são subprodutos normais da formação planetária”, diz Lecavelier des Etangs.

Isso nos diz que a forma como os planetas se formaram no sistema solar é provavelmente semelhante à forma como eles se formam em torno de outras estrelas, e também mostra como seria existir em um sistema planetário relativamente pequeno e jovem.

“Se você estivesse em um planeta orbitando Beta Pictoris, o céu estaria cheio de cometas em todas as direções – é como ver o cometa Hale-Bopp a cada dois dias”, diz Lecavelier des Etangs. “É espetacular – eu adoraria estar lá.”

Fontes: Journal reference: Scientific ReportsDOI: 10.1038/s41598-022-09021-

#AstroAnimatorVFX #NASA #Tecnologia #Astronomia #Ciencia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *