Mon. Jun 17th, 2024

O escurecimento repentino de Betelgeuse em 2019 tem intrigado os astrônomos desde então, mas agora descobrimos a causa.

Um satélite meteorológico fazendo observações rotineiras da Terra pode ter resolvido o mistério de por que a estrela Betelgeuse perdeu brevemente seu brilho.

No final de 2019, a estrela supergigante vermelha, que fica a cerca de 550 anos-luz da Terra, de repente ficou muito mais fraca, um evento conhecido como Grande Escurecimento.

Pesquisas anteriores sugeriram que uma nuvem de poeira e um ponto frio na estrela podem ter sido a causa. Daisuke Taniguchi, da Universidade de Tóquio, no Japão, agora acredita que sabemos com certeza graças a uma fonte improvável: um satélite projetado para monitorar o clima na Terra.

O satélite, Himawari-8, é usado para observar continuamente o clima no Japão e regiões próximas a partir de uma posição geoestacionária de quase 36.000 quilômetros acima. No entanto, também ocasionalmente vê estrelas aparecerem além das bordas da Terra – incluindo Betelgeuse uma vez por dia.

Taniguchi usou dados publicamente disponíveis do satélite para coletar observações regulares da estrela no infravermelho. Isso, diz ele, permitiu que ele confirmasse a causa do Grande Escurecimento, que durou até o início de 2020. Houve de fato uma nuvem de poeira, captada pelos instrumentos do satélite, e a temperatura da estrela também caiu 140°C.

“A vantagem do Himawari-8 sobre outros telescópios é que é um telescópio de monitoramento”, diz Taniguchi. “Vimos Betelgeuse todos os dias por cinco anos [de 2017 a 2021].”

A causa da produção repentina de poeira não é clara. Pode ter sido uma onda de choque na estrela que expeliu gás para fora que depois se condensou em poeira. Isso também poderia explicar o resfriamento subsequente da estrela, embora ainda não seja certo se os eventos estavam relacionados.

Fig. 1: Betelgeuse observada com o satélite meteorológico Himawari-8 perto da borda do disco da Terra.

Taniguchi já tem planos de usar o Himawari-8 para observar mais estrelas, examinar sua evolução e produção de poeira, e outros satélites meteorológicos podem ser igualmente úteis para os astrônomos. “Espero que após a publicação deste artigo, outros satélites abram publicamente seus dados”, diz ele.

Referência do periódico: Nature Astronomy, DOI: 10.1038/s41550-022-01680-5

Não deixem de se inscreverem no Canal do YouTube pois é muito importante para o crescimento do projeto. Meu muito obrigado! https://www.youtube.com/c/AstroAnimatorVFX/ “

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *