Mon. Jun 17th, 2024

AstroAnimatorVFX explica um pouco sobre o acidente ocorrido em 9 de Novembro na Guiana Francesa.

Quando o James Webb Space Telescope foi colocado em seu anel adaptador, tudo ocorreu bem. O próximo passo seria colocá-lo no seu Payload Adapter (Adaptador de Carga Útil), que é uma estrutura em formato de cone, que é presa na parte do estágio superior.

A função deste anel adaptador é abrir 30 minutos após o lançamento liberando a carga.

Então, quando este anel estava sendo apertado, de repente ele se abriu rapidamente, de uma forma não esperada, e isso mandou muitas vibrações para o JWST. Graças as estruturas de segurança na engenharia deste anel, ninguém se feriu quando ele abriu repentinamente.

Sabemos que o JWST passou por testes de vibrações simulando o lançamento e vibrações acústicas também. Mas no ocorrido a escala poderia ser diferente do lançamento, por se tratar de um acidente inesperado.

Podendo ter gerado estresse além dos previstos para o hardware. Os testes dos engenheiros da NASA concluíram que essas vibrações se limitaram ao BUS da espaçonave, e que não foi transmitida para o JWST. Devido aos sensores de vibrações terem sido retirados do JWST, por ele estar sendo preparado para o lançamento, a NASA precisou fazer testes minuciosos para ter realmente certeza de que as vibrações não causaram dano ou que não chegaram até ele.

O BUS (Barramento, tradução literal “Ônibus”) da espaçonave é localizado na parte de baixo do observatório, como podemos ver nas imagens.

Ele fornece as funções de suporte necessárias para a operação do Observatório Webb. Nele estão os principais sistemas que suportam o observatório. Ou seja, é o lar de seis subsistemas principais: Subsistema de Energia Elétrica, Subsistema de Controle de Atitude, Subsistema de Comunicação, Subsistema de Comando e manipulação de dados, Subsistema de Propulsão, Subsistema de Controle Térmico.

Subsistema de energia elétrica
O subsistema de energia elétrica converte a luz do sol que incide sobre os painéis solares na energia necessária para operar os outros subsistemas no BUS, bem como a carga útil do instrumento científico.

Subsistema de Controle de Atitude
O Subsistema de Controle de Atitude detecta a orientação do Observatório, mantém o Observatório em uma órbita estável e fornece o apontamento aproximado do Observatório para a área do espaço que os Instrumentos de Ciência desejam observar.

Subsistema de Comunicação
O Subsistema de Comunicação são os ouvidos e a boca do Observatório. O sistema recebe instruções (comandos) do Centro de Controle de Operações e envia (transmite) os dados científicos e de status para o OCC.

Sistema de controle e manipulação de dados (C&DH)
O Sistema de Comando e Tratamento de Dados (C&DH) é o cérebro do ônibus da espaçonave. O sistema possui um computador, o Processador de Telemetria de Comando (CTP), que recebe os comandos do Sistema de Comunicações e os direciona ao destinatário apropriado. O C&DH também possui o dispositivo de memória / armazenamento de dados para o Observatório, o Solid State Recorder (SSR). O CTP controlará a interação entre os instrumentos científicos, o SSR e o sistema de comunicações.

Sistema de propulsão
O Sistema de Propulsão contém os tanques de combustível e os foguetes que, quando dirigidos pelo Sistema de Controle de Atitude, são disparados para manter a órbita.

Propelentes e propulsores de foguetes
Webb tem dois tipos de propulsores de foguetes. Um tipo é chamado de “Propulsores Aumentados de Combustão Secundária” (SCAT), e eles são usados para correção de órbita (como mudanças aplicadas na velocidade para cada manobra que a espaçonave faz e também para manutenção de estação orbital). Webb tem dois pares deles (emparelhados para redundância). Eles usam hidrazina e tetróxido de dinitrogênio, como combustível e oxidante, respectivamente, o que torna o SCAT o que os engenheiros chamam de propulsor “bi-propelente”. O outro tipo de propulsor em Webb é chamado de MRE-1, ou motor de foguete mono-propelente, já que usa apenas hidrazina. Existem oito MRE-1s no Webb, e eles são usados para controle de atitude e descarga de momento das rodas de reação.

Subsistema de controle térmico
O subsistema de controle térmico mantém a temperatura operacional do BUS da espaçonave.

Conclusão

Hoje, dia 25 de novembro de 2021, o James Webb Space Telescope começa a ser abastecido com os propelentes que serão usados para manter sua órbita durante todo seu período de vida. Este abastecimento deve durar 10 dias.

Então, foi bem trabalhoso executar estes testes uma vez que ele já estava dobrado e montado. Mas agora os testes foram concluídos e o JWST está pronto para continuar sua preparação para vôo.

| Siga e se inscreva no AstroAnimatorVFX no YouTube e também no Twitter @Chris_AstroVFX |

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *