Mon. Jun 17th, 2024

Em uma reviravolta inesperada durante seu primeiro encontro, a sonda espacial Lucy da NASA revelou que o asteroide Dinkinesh não está sozinho, compartilhando sua órbita com um companheiro menor e, assim, formando um sistema binário. Essa notável descoberta ocorreu no dia 1 de novembro, enquanto a Lucy sobrevoava o asteroide localizado no cinturão principal entre Marte e Júpiter.

A descoberta aconteceu quando as primeiras imagens foram transmitidas de volta à Terra, mostrando que o que se presumia ser uma rocha espacial solitária era, de fato, duas. O maior asteroide, com aproximadamente 0,5 milhas de diâmetro (cerca de 0,8 km), e seu companheiro menor, com cerca de 0,15 milhas de largura (aproximadamente 0,24 km), estabeleceram um novo recorde como os menores asteroides do cinturão principal observados de perto por uma sonda espacial.

Uma série de imagens do par de asteroides binários, Dinkinesh, como visto pela câmera de rastreamento terminal (T2CAM) na sonda espacial Lucy da NASA durante sua maior aproximação em 1º de novembro de 2023. As imagens foram tiradas com intervalos de 13 segundos. O movimento aparente dos dois asteroides se deve ao movimento da sonda enquanto ela passava a uma velocidade de 10.000 mph (4,5 km/s). Estas imagens foram aguçadas e processadas para realçar o contraste. NASA/Goddard/SwRI/ASU

“Isso é uma maravilhosa surpresa”, disse Hal Levison, o investigador principal da Lucy do Southwest Research Institute. “Dinkinesh”, que significa “maravilhoso” em amárico, realmente justificou seu nome ao nos apresentar não apenas um, mas dois objetos de estudo.”

Lançada em outubro de 2021, a missão da Lucy é principalmente visitar um grupo de asteroides troianos que compartilham a órbita de Júpiter. Esses antigos rochedos espaciais contêm pistas para a história do sistema solar primitivo, oferecendo potencialmente insights sobre a formação e evolução de nosso bairro planetário. O sobrevoo de Dinkinesh, embora não seja um asteroide troiano, desempenhou um papel crucial no teste do sistema de rastreamento terminal da sonda, projetado para seguir autonomamente um asteroide durante um sobrevoo de alta velocidade.

Esta imagem mostra o “nascer da lua” do satélite conforme ele surge de trás do asteroide Dinkinesh, como visto pelo Imager de Reconhecimento de Longo Alcance Lucy (L’LORRI), uma das imagens mais detalhadas obtidas pela sonda espacial Lucy da NASA durante seu voo pelo par de asteroides. Esta imagem foi capturada às 12:55 p.m. EDT (1655 UTC) em 1º de novembro de 2023, aproximadamente um minuto antes da maior aproximação, de uma distância de cerca de 270 milhas (430 km). Nesta perspectiva, o satélite está posicionado atrás do asteroide principal. A imagem foi aprimorada e processada para realçar o contraste.

Tom Kennedy, engenheiro de orientação e navegação na Lockheed Martin, expressou satisfação com o desempenho do sistema de rastreamento, destacando que a operação bem-sucedida ocorreu apesar da natureza binária não antecipada do alvo. “Ver nossos sistemas funcionarem perfeitamente em condições reais, não apenas em simulações, é incrivelmente afirmativo”, declarou Kennedy.

A equipe da Lucy agora está analisando ansiosamente os dados, com comparações já sendo feitas entre Dinkinesh e seu companheiro com outros sistemas binários conhecidos, como o par de asteroides próximo à Terra Didymos e Dimorphos, observado pela missão de Teste de Redirecionamento de Asteroide Duplo da NASA.

Os insights obtidos com esta missão não são apenas acadêmicos; eles têm o potencial de informar futuras estratégias de exploração espacial e defesa. A descoberta do asteroide secundário, o menor observado no cinturão principal, adiciona complexidade e riqueza ao nosso entendimento desses corpos celestes.

À medida que a Lucy continua em sua jornada, a equipe aguarda com expectativa o próximo encontro significativo, o sobrevoo do asteroide do cinturão principal Donaldjohanson — nomeado após o co-descobridor do fóssil hominídeo Lucy, que inspirou o nome da sonda — em 2025. A missão culminará eventualmente com a exploração dos Troianos de Júpiter, a partir de 2027.

Com cada sobrevoo e cada nova descoberta, a missão Lucy da NASA continua aumentando o volume do nosso entendimento do sistema solar, nos lembrando das maravilhas ilimitadas que esperam para ser descobertas na vasta extensão do espaço.

Não deixem de se inscreverem no Canal do YouTube pois é muito importante para o crescimento do projeto. Meu muito obrigado! https://www.youtube.com/c/AstroAnimatorVFX/ “

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *